Carnaval erradio

Carnaval erradio

 

1 – CARNAVAL ERRADIO

O táxi percorria caminhos sinuosos, desviava-se das retenções carnavalescas na única noite em que me atrevi a explorar a atmosfera noturna do reinado de Momo. Olhando pela janela do automóvel, observei foliões caminhando como zumbis pelas ruas ermas do Centro da Cidade sem imaginar o que viria para mim. Senti saudades dos carnavais da Discoteca Help — em Copacabana — das mulheres seminuas naquela arena congelada pela decoração da década de 80. A Help foi meu ponto preferido para me exercitar no carnaval durante muitos anos.

Admito, devo ser ruim da cabeça ou doente dos pés, pois odeio samba, pagode e derivados. Como sempre cito, sou uma alma britânica exilada neste subúrbio do mundo. Tomei a decisão, no entanto, de me arriscar em uma das noites dedicadas a pierrôs e arlequinas. Infelizmente, a minha ideia revelaria toda a sua complexidade no decorrer dos fatos.

— Olha, vou ter que deixar o senhor por aqui, no máximo um pouquinho mais a frente. O que o senhor prefere? — o taxista me corta os pensamentos com a súbita notícia.

Meus olhos giraram pelo entorno e o sujeito queria me largar na esquina da Avenida Rio Branco com a Avenida Presidente Vargas, quando havia solicitado que me deixasse o mais próximo possível da Lapa. Recusei-me a desembarcar naquele ponto tão distante do meu objetivo.

De má vontade, o motorista executou manobras proteladoras e me avisou que daquele local não passaria. Estávamos na esquina da Rua do Ouvidor com a Primeiro de Março, não se escutava nem o som de grilos na região e os vaga-lumes haviam fugido, um vácuo, uma avalanche de silêncio vagando pelas penumbras assombradas dos antigos sobrados.

— Motorista, não consegue me deixar um pouco mais perto da Lapa? É muito arriscado descer aqui e estamos muito longe dos Arcos. Estou vendo que tudo está livre mais à frente — tentei argumentar.

— Não dá, não, senhor. Se eu for mais perto, posso acabar não conseguindo sair, são muitas ruas fechadas.
Reclamei com o indivíduo, aleguei que a atitude era inaceitável, mas não teve jeito. Fui desovado como um cadáver desavisado numa região que poderia ser comparada ao deserto do Saara depois do anoitecer. Restou-me registrar o momento com uma foto e só existiam placas iluminadas para fotografar, foi quando captei a imagem de outro andarilho solitário, talvez, também, desovado por algum taxista.

Não me restou alternativa, eu precisava caminhar na esperança de descobrir sinais de civilização. Emparelhei o celular com os meus aparelhos auditivos e deixei que a o som do Moby servisse como bussola me guiando entre as sombras.

EXTREME WAYS

Dancinha

Esticando as pernas em passos largos, como uma avestruz fugindo de algum incógnito predador, atravessei a despovoada Esplanada do Castelo, que nos causa a ideia de ser um arremedo inóspito da Praça Vermelha de Moscou, depois segui pela Avenida Antônio Carlos, entrei pela Presidente Wilson, passei em frente à vetusta Academia Brasileira de Letras — onde saudei a estátua do finado Machado de Assis, que pareceu assustado ao me ver andando por ali, naquelas horas temíveis. Circundei a ilha verde do Passeio Público, e finalmente alcancei os mundanos Arcos da Lapa. Deparei-me com um oceano desmedido de gente. Compreendi o porquê de o taxista não ter me desembarcado naquela área.

2 – PAGÃOS

Deixei que a música continuasse inundando os meus ouvidos, me blindando dos ruídos coléricos da multidão. Fui me esgueirando entre homens e mulheres com pouca roupa, quase triturado por aquela aglomeração humana que buscava sentido para a vida em uma festa sem sentido. Acredite, leitor sem fé, eu vestia o meu tradicional uniforme escuro de caça, um corvo rompendo a massa de cores psicodélicas.

CASTING SHADOWS

Dancinha

Atente-se a esta informação, meu companheiro de jornadas, existem bares e casas de música na Lapa que atualmente ostentam mulheres de programas a procura de gringos e que até aceitam brasileiros na hora da xepa. Nisso, a Lapa guarda certa similaridade com a filosofia que imperava na extinta Help. Mapeei alguns pontos e sigo esse roteiro promíscuo quando minhas botas pisam sobre as calçadas da Avenida Mem de Sá.

Inauguro a minha peregrinação pela Rua Gomes Freire, no trecho que compõe os arredores da Rua do Rezende, já encontrei muitas meninas dos trashes ali, além de outras de categoria mais sofisticada. Há travestis na área, mas cada andarilho que busque o melhor encaixe para o próprio prazer. A presença intensa da turba em trajes que fariam corar Pedro Álvares Cabral deixava pouquíssimo espaço para a respiração, mas fui desbravando o terreno como um feroz bandeirante a procura de esmeraldas.

Como sempre ocorre, subitamente percebo uma presença que em atrai, uma presença que me pareceu familiar, uma lembrança de tempos remotos e melhores do que os atuais. Uma morena colossal, de coxas cavalares que se emendavam a uma bunda vastíssima transbordando-se em pequenas polpas de pele através do shortinho sumário que usava. Aquela bunda, não tenho dúvidas, mexe com a lei da gravidade e deve até influir nas questões climáticas do planeta.

Tive a certeza de que conhecia a mulher. Aproximei-me devagar, ela estava rodeada de outras garotas e eu ainda estava sóbrio, fator que me trava um pouco. Ao chegar mais perto, lembrei-me de quem se tratava, era a morenaça Paola, antiga funcionária do saudoso Clube 31, que ficava em uma ruela às margens da Rua do Acre. Sentindo-me intimidado pela timidez, custei a decidir abordar a mulher, mas acabei me jogando e falei com ela.

— Oi. Lembra de mim? — entrei com a canastrice.

Paola reagiu como se tivesse levado um susto, me olhou com estranheza e respondeu…

— Ai, que susto, garoto! Não, não lembro. Você é quem?

— Você não trabalhou lá na 31? — cometi a indiscrição absoluta.

— Ih, trabalhei, mas há muiiiiiiito tempo.

— Pois é, mas eu ainda me lembro de você. Ainda trabalha em algum local?

— Trabalho. Aqui — finalmente, a resposta que trouxe a esperança.

Ofereci pagar uma bebida, ela aceitou e pediu que eu pagasse também para as amigas. Fazer o quê? Paguei. Conversamos, mas ela não me abriu muito sobre os rumos que tomou após sair do Clube 31. Houve um breve momento em que me invadiu uma pequena dúvida sobre a certeza de que aquela era realmente a Paola que conheci ou se a morena estava assumindo um papel aleatório visando a um ganho em cima de mim, mas eu já estava em um caminho sem volta. Prossegui.

Sabendo que Paola estava na Lapa trabalhando, fiz uma proposta, mas ela expressou uma contraproposta, pechinchei e acertamos uma rapidinha por duzentos reais no Hotel Estadual, quase ao lado de onde estávamos. No fim, foi uma rapidinha literalmente, a menina me abocanhou num boquete sobrenatural e gozei em sua boca sem ter tocado direito nela. Estirado na cama, só tive tempo de pagar, ver a garota se vestir e me deixar no quarto como quem deixa uma vítima de assassinato.

Aproveitei para tirar um cochilo. Ao acordar, me lavei, paguei a conta e só me restou ir embora.

3 – APENAS O FIM

Avistei um táxi parado próximo ao hotel…

— Trabalhando, motorista? Me tira daqui?

— Já é. Pra onde?

Entrei no táxi, os primeiros raios do Sol buscavam as criaturas da noite com ânsia de incinerá-las.

— Toca pra bucólica Tijuca — ordenei.

Amanhecia na velocidade dos pneus, mas o amanhecer é somente o prefácio dos homens comuns. O libertino é um navegante a bordo de um navio fantasma, persegue portos que se movem, vive quando a adrenalina pulsa. É quando anoitece que as páginas da existência revelam o clímax de todas as histórias. Um libertino nunca é luz, é sombra.

Deixei que a playlist do meu celular elegesse aleatoriamente a trilha sonora do trajeto…

FLY AWAY

Se a vida é finita, o desejo é perpétuo.

Jornalista. Professor de Língua Portuguesa, Escrita e Literatura. Editor. Escritor.

Deixe uma resposta