Cássia

CÁSSIA

O Tinder não é mais um aplicativo de relacionamentos afetivos, se tornou um canal de relações financeiras. São garotas querendo fazer programas sexuais, mas sem se assumirem como garotas de programa. Interessante, no entanto, é que tem sido o veículo onde venho encontrando as periguetes mais bonitas do ramo.

Semana passada estive com uma delas pessoalmente, apresentou-se como Cássia, me enviou fotos e vi que era uma dessas mulheres para assumirmos matrimônio na Igreja da Candelária. Compartilhei as fotos com alguns camaradas, todos se impressionaram com a estampa da menina.

Após um match, começamos a conversar pelo WhatsApp e creio que demorei três semanas para marcar o encontro. Cássia cobra 400 pilas a hora, mas pechinchei e saiu por 300. Avisou-me não controlar o tempo e pude constatar que realmente não controla, o esfrega fluiu sem cronômetro, o que dá a moça um selo de bom custo e benefício.

Marcamos na última sexta-feira, mandei o Uber (pago pelo cliente) e ela aportou na Praça Xavier de Brito, na bucólica Tijuca, com a pontualidade britânica que eu idolatro. Houve um breve percalço, um desencontro momentâneo. Ao chegar ao meu endereço, Cássia não me avisou e se dirigiu direto ao porteiro pedindo para me chamar pelo Interfone, mas entrou no numeral errado, não era o meu chalé.

“Você é um cachorro, me passou trote, me mandou para um endereço errado” — a mensagem pelo zap veio com ira e não entendi nada.

“Onde você está?” — Perguntei.

“Estou na praça que você mandou me deixar, no número X” — responde.

NO CHALÉ

Esclarecida a situação, fizemos piada e finalmente Cássia entrou no meu chalé nos alpes Tijucanos. Ela veio vestida com uma bermuda jeans justinha e uma blusa altamente decotada que revelava o par de seios suculentos e firmes que ela sustenta. Coxas grossas, sorriso arrebatador, lábios carnudos, barriguinha sarada, toda bem cuidada nos seus 1,70m de altura.

Entramos na minha suíte master e peço logo que ela tire a roupa, me atendeu prontamente. Que corpaço, que seios, que bunda, a vagina lisa e delicada parecia me intimar para um beijo. Fiz a pré-entrevista antes do agendamento e parti para os óculos gulosos que aprecio tanto, Cássia não refugou, meu deu a língua, a úvula, a traqueia, o esôfago, acho que por pouco não alcancei o seu intestino, de tão profunda que foi a osculação.

Deitamo-nos e os amassos prosseguiram. Roçadas perigosíssimas, glande roçando no clitóris, corpos em fricção, éramos dois cabos de alta tensão gerando choques intensos a cada novo impacto. Cássia geme baixinho, gostoso, um gemido sincero, transbordando tesão.

Ela inverte a posição, abocanha o meu combalido pênis e aplica uma masturbação engolindo meu pau (ou graveto, como preferirem) e percebo que eu iria gozar em segundos. Interrompi o boquete.

Pedi que Cássia ficasse de quatro. Que paisagem. O tobogã erótico que se descortinou para os meus olhos deveria ser decretado como uma das maravilhas do mundo. As costas arqueadas, a bunda empinada e a vagina sorrindo, ansiosa por me receber em seus domínios. Eu permaneci ajoelhado, pois somente ajoelhados é que devemos comer as melhores fêmeas. Penetrei com força, antes que o encanto da ereção se desfizesse, estoquei com ritmo, o som das batidas da minha virilha em sua bunda ecoava na suíte. Senti as ondas vulcânicas se avolumarem. Parei. Deitei-me novamente e pedi que a garota me chupasse. Ejaculei toda a minha carga genética, do útero á velhice. Sucumbi no colchão.

Namoramos mais, conversamos e preferi liberar a menina, que não dava sinais de querer ir embora. Acertei a conta, pedi o Uber e adeus.

Como eu disse, trata-se de uma mulher do Tinder, aviso isso antes que o Forista de Sapatilha ou o Sindicato da Confeitaria venham me pedir o telefone. Não tem como. Comentei sobre o fórum, mostrei o Arena, mas ela não consentiu em ser cadastrada no momento. Torço para que eu possa compartilhá-la com os camaradas futuramente. Por agora, aconselho que vocês façam como eu, tentem o Tinder, pois as repetições e reprises do fórum já estão tediosas. Fiz até a assinatura Platium, tamanho o sucesso que estou conseguindo alcançar.

A vida pulsa, o libertino vive. 

:dancinha:

Jornalista. Professor de Língua Portuguesa, Escrita e Literatura. Editor. Escritor.

Deixe uma resposta