Bar das Quengas (Lapa) — Um obituário

BAR DAS QUENGAS — UM OBITUÁRIO

Quando um bar fecha as portas definitivamente, é certo que algumas almas se tornam. Foi isso que senti ao me deparar com o icônico Bar das Quengas fechado em uma noite de sexta-feira. 

Localizado fora do eixo caótico do baixo Lapa, ele estava fincado mais para o lado da Praça da Cruz Vermelha, uma face da Lapa muito mais pacata e, inclusive, mas agradável para beber. Um bar não significa somente o encontro com o outro, ele pode ter mais relevância no encontro com o nosso próprio eu. Não me incomodo de sentar-me para beber sozinho e vejo muitos boêmios que também praticam o esporte do copo solitário.


Beber sozinho nos induz aos momentos de reflexão, de contemplação, de auditoria sobre a existência. Nunca tive restrições à minha companhia, portanto, jamais me restringi ao prazer de me embebedar sem a segunda ou terceira pessoa. Na verdade, beber é um prazer que se potencializa quando estamos sozinhos.
 

Todos os bares são templos budistas para o libertino. 

Acompanhei a evolução do estabelecimento que nos seus últimos anos se transformou no Bar das Quengas. Antes da ressurreição da Lapa, o que havia ali era um legítimo boteco do estilo pé-sujo, frequentado por ébrios como eu, por garotas de programa e, principalmente, por travestis. Do outro lado da esquina onde ele estava, uma barraquinha de cachorro-quente consolava os estômagos vazios e maltratados pelo álcool. Tratava-se de um point underground, no seu mais puro significado. Com o avançar da madrugada, brotavam os gays que saíam de uma boate chamada Gayligula (o nome é um filé de originalidade) instalada na Rua Ubaldino do Amaral. 

Talvez, esse lado mais zen da Lapa esteja encontrando dificuldades na sobrevivência, pois o Bar das Quengas arriou as portas e o botequim Beco da Noite pôs o ponto à venda. Duas referências boêmias muito mais relevantes do que qualquer bar da moda no entorno dos Arcos. Uma pena.  

No meu caso, ficou um imenso vazio, pois eu me sentava regularmente diante de uma das mesas colocadas na calçada e passava horas tomando o meu uísque e saboreando algum petisco. Adorava meditar ali, um desses deleites raros e reservados que me proporcionei por diversas vezes. Perdi uma das ilhas prediletas onde eu naufragava.

O Bar das Quengas nunca foi um bar de preços justos, tudo ali era caro, mas eu não me importava em pagar, pois havia a retribuição de um prazer e de um bom atendimento que não encontro em qualquer mesa por aí.

 Às vezes, me parece que a única função do tempo é a de exterminar tudo ao nosso redor até, também, nos exterminar quando só nos resta o desgosto. O que me sobra agora é encontrar outro templo que me receba e abrigue com aconchego os meus mais profundos pensamentos. Que o Bar das Quengas repouse em paz.

Jornalista. Professor de Língua Portuguesa, Escrita e Literatura. Editor. Escritor.

Deixe uma resposta