Swing Asha e a massagista tailandesa

Swing Asha e a massagista tailandesa

Tenho aversão por dirigir à noite. Na verdade, atualmente, tenho aversão a dirigir em qualquer horário. Nem sempre foi assim, mas meus olhos envelheceram e o estresse do trânsito me causa fobia. Ainda tenho carro, mesmo percebendo que ele é um prejuízo para o meu bolso, se tornou o típico automóvel de garagem. Hoje, minha condução é o táxi e me sinto confortável assim. Na última saída com Pâmela, no entanto, decidi sacudir a poeira do Sucatão e tirá-lo do seu sepulcro.

Girei a chave na ignição e o motor da minha encarquilhada viatura tossiu como um velho tuberculoso se afogando nos próprios fluidos. Finalmente, os pneus começaram a ganhar tração e desemboquei no asfalto noturno da bucólica Tijuca. Combinei de pegar a moça no bar em que ela me disse que sempre faz ponto nos arredores da Praça Varnhagen, o que parece revelar um estranho comportamento obsessivo.

Pâmela é dessas mulheres que chamam a atenção, foi mais um bônus que alcancei no Tinder, que havia estagnado para mim por um razoável intervalo árido antes de conhecer a moça. Havíamos acertado de irmos ao swing do Asha Club, na Barra da Tijuca, o convite foi feito pela minha nova parceira em troca de um cachê módico.

O Sucatão deslizava pelas curvas sinuosas do Alto da Boa Vista muito mais como quem procura um abismo do que um destino. Minha aversão a dirigir à noite é mais aguda porque preciso usar óculos e detesto usar óculos, já me basta o aparelho auditivo. Míope, surdo e meio brocha, você não irá me ofender se me disser que estou com o pé na cova.

Pâmela liga o rádio e a cabine é inundada com a voz de Lady Gaga cantando Bad Romance

LADY GAGA

O percurso não reservou surpresas e alcançamos os primeiros caminhos da Barra, o paraíso dos milicianos. Atravesso a rua dos motéis, entro a esquerda e encontro uma vaga providencial próximo ao Swing. A rua é residencial e penumbrosa. Pâmela estava sexy, encaixada em uma minissaia justíssima e com os seios ornados por um top decotado, a previsão era de uma noite proveitosa.

Preciso agradecer por conseguir fisgar algumas promíscuas do Tinder, pois me resgatou do loop cansativo da falta de novidades atraentes. Pior, alguns relatos sempre seguem a mesma partitura. Tudo é fase, logo melhora.

O Asha Club é uma boate projetada em dimensões grandiosas e é realmente uma boate de muito espaço. As proporções são amplas e os valores um pouco salgados se comparados a outros swings. Como fui pouquíssimas vezes ao local, sempre me soa como novidade.

A pista estava lotada. Muitos casais, muitas mulheres e identifiquei também um punhado de garotas de programa. Gringos, vi gringos. Pâmela veio calibrada com gim do bar em que a encontrei, estava eufórica, quis rodar pelo ambiente. Rodamos. Cabines, saletas, salão. A sacanagem rolava solta na hora em que chegamos. Eu estava de carro, mas precisava beber, arrisquei e pedi meu uísque. Queria me alegrar para me equiparar a euforia da minha parceira. Não avistei exemplares da minha faixa etária, a presença maciça era de jovens.

Nunca gostei de ir a swing com garotas de programa, a exigência da grana corta a emoção e o envolvimento. Prefiro ir com meninas como a Pâmela, que gostam da prática e aceitam o dinheiro que eu quiser dar como presente. Como eu não sou muito de pegar mulher dentro de swing além da que está comigo, se torna importante que eu tenha uma conexão com a companhia ao meu lado.

De repente, estávamos no salão com a enorme cama coletiva. Quando dei por mim, Pâmela estava sendo traçada por um gringo barbudo e eu só tive tempo de ver uma gordinha partindo para cima de mim com sangue nos olhos e se apresentando como massagista tailandesa. A menina puxou a minha calça, quase rasgou a cueca, me aplicou um boquete rápido, puxou do sutiã uma camisinha que parecia mais câmara de ar de pneu de fusca, encaixou a borracha grossa no meu combalido pênis, subiu no meu corpo e praticamente me violentou.

A garota não quicava, ela se jogava em saltos acrobáticos sobre o meu pau. Um mínimo erro de cálculo e o meu apavorado pinto seria quebrado ao meio. A moça tratou meu pau como se fosse um trapézio. Saltava para cima e deixava a gravidade empurrá-la para baixo acreditando que sua vagina fosse engolir o meu pinto sem errar o alvo. Tenso, eu mal respirava, qualquer desvio do corpo poderia ser fatal. Não gozei, mas creio que a garota gozou. Uma sádica.

Objetivo cumprido, embarcamos no Sucatão e retornamos à bucólica Tijuca. No caminho, senti minha virilha dolorida das pancadas cometidas pela acrobata sexual. A aventura continua… 

Jornalista. Professor de Língua Portuguesa, Escrita e Literatura. Editor. Escritor.

Deixe uma resposta