Aline

Aline

A tarde chuvosa, o cheiro de terra molhada entrando pelas janelas, a batida de E-rotic inundava os cômodos do meu imenso chalé nos alpes tijucanos e criava uma atmosfera afrodisíaca.

E-ROTIC

Dancinha

Eu me remexia dançante na cadeira do escritório enquanto fuçava o Tinder e os sites de garotas de programa. A necessidade de sentir a textura feminina me tomou de assalto, buscava uma fêmea capaz de acalmar a minha libido, as minhas fantasias. Somos vampiros que se alimentam da fricção, do choque de peles causado pelo sexo. Encontrei a eleita…

Aline é uma jovem de olhos azuis faiscantes, loira de cabelos cacheados desaguando pelas costas; um par de seios firmes, pequenos e de bicos rosados emoldurados por marcas de biquíni; pernas grossas; bunda esférica de capa de revista. Mulher de estatura média, sotaque forte de cidade de interior, tatuagens provocantes, sorriso arrebatador.

Aline é objetiva, mas educada. Para aqueles fiscais de relato que gostam de objetividade, é capaz de sofrerem ejaculação precoce pelo WhatsApp. Consegui manter o diálogo por algum tempo, colhendo todas as informações que me interessavam, até que decidi agendar. Fui agraciado pela sorte, a menina tinha horário vago. Marquei que chegasse ao final da tarde.

Dei uma arrumada na casa, preparei o quarto, foquei a meia luz, liguei o telão e deixei The Cure engatilhado com Lovesong. Tudo pronto, mandei o táxi para pegar a Aline. A menina mora perto da bucólica Tijuca, a viagem foi rápida e quando piquei os olhos ela desembarcou do carro, quase me comovi com aquela beleza ofuscante e espontânea alvorecendo diante dos meus olhos. Demos um selinho, enlaçamos as mãos e seguimos.

Ao entrarmos no salão do chalé, apertei o controle remoto em meu bolso e acionei a música na tela da TV. A melodia em alto volume nos envolveu…

LOVESONG

Dancinha

A menina gostou, rebolou o corpo e fomos dançando juntos até a alcova. Aline estava vestida em um macacão justíssimo, revelando suas curvas vertiginosas. A imagem exuberante da beldade faz um caboclo desavisado se apaixonar. Perguntei se ela bebia, se aceitava beber comigo.

— Claro — ela me responde.

Abri um Chandon (ela merecia e não tenho café nem bolo em casa), enchi duas taças e levei ao quarto. Brindamos e bebemos juntos. Na terceira dose, começou a tocar Depeche Mode com Enjoy The Silence. A perfeição existe, o momento perfeito acontecia numa alcova discreta encravada no miolo da Tijuca.

DEPECHE MODE.

Dancinha

Eu e Aline nos beijamos. Ela me oferecia a língua para que eu chupasse, uma delícia. Os corpos quentes, vivos, famintos, se esbarravam. Mãos escorriam mutuamente pelo prolongamento da pele, gemidos soavam suaves em meio ao ritmo da melodia.

Peço que a moça se deite, pego o meu aparelhinho de eletrochoque, mas antes de inseri-lo chupo o grelo em alto relevo, um grelo graúdo, vibrante. Após umedecer a área, coloco o aparelhinho sobre o clitóris e a menina se contorce em um espasmo que revela sua sensibilidade. Seus gemidos vão aumentando de intensidade no mesmo compasso em que o tesão a envolve. Ela resiste, parece não querer gozar, pede que eu meta o dedo em sua vagina, pedido que atendo imediatamente.

Aline geme mais, se contorce mais, me beija com ânsia de língua e nossas línguas se embolam em um nó cego. Ela puxa minha nuca com as mãos, quer minha boca dentro de sua boca, nos engolimos em beijos autofágicos e intermináveis. Então, subitamente, Aline grita e goza como quem se rende ao inevitável.

Agora, o som na tela vinha dos Rolling Stones com Jack Flash

JACK FLASH

Dancinha

Aline recupera o fôlego e abocanha o meu combalido pênis com os lábios, um boquete mata-leão que quase me nocauteou em poucos segundos. Chupou, chupou, chupou, incansável, insaciável. Eu dedilhava sua boceta vislumbrando sua bunda de quatro virada na direção do meu rosto. Peço que ela pare, a garota larga o meu pau, prepara o terreno e monta sobre o meu tronco, de costas para mim, e emenda em quicadas implacáveis. Acredite, forista sem fé, meu coração acelerou vendo aquelas nádegas dignas da Playboy subindo e descendo sobre o pobre Pikachu — o breve.

Tive uma alucinação antes de gozar, me vi nu no meio do Jardim Zoológico da Quinta da Boa Vista com uma Ema me encarando como se estivesse há dias sem se alimentar. Terror. Despertei do delírio quando explodi em um orgasmo fortíssimo que quase arrancou a minha uretra. Quando voltei ao mundo real, o som de The Cult tomou tudo…

HOLLOW MAN

Dancinha

Após aliviarmos as tensões, conversamos, degustamos uma pizza e um programa que era para ter sido de uma hora, estendeu-se para quase três. Sem pressa, sem pressão.

Chamei um táxi, Aline se despediu de mim com mais um beijo e o carro desapareceu no horizonte infinito do asfalto. Sozinho, retornei aos domínios do chalé, o silêncio imperava ecoando a minha respiração. Acionei o controle remoto, escolhi uma música aleatória e coloquei no volume máximo. Deixei que o ritmo embalasse o meu velho corpo. A vida pulsa, o libertino vive…

MORRISEY

Dancinha

Jornalista. Professor de Língua Portuguesa, Escrita e Literatura. Editor. Escritor.

2 respostas para “Aline”

Deixe uma resposta