Cancun

CANCUN

Frequento a Cancun desde a inauguração, dividida entre boate e uisqueria, onde sempre preferi ficar. Foi e ainda é um ambiente agradável, agora restrito somente ao bar, pois a boate fechou. Peguei a época do simpático maître argentino, sempre me atendeu bem. Infelizmente, como todas as boates do Centro, a Cancun decaiu na qualidade ao mesmo tempo que ainda eleva os preços do seu cardápio de opções.

Sexta-feira, fim de tarde. Paro em um boteco raiz no Beco dos Barbeiros e dou uma calibrada antes de entrar na Cancun.

Recepção fria do porteiro, que se limita a entregar a comanda. Esse porteiro pouco simpático sempre me abisma por ainda estar por lá.

Olho a tabela, o programa mais barato, de 30 minutos, custa 300 reais. O programa de 1 hora está 380 reais.

Além disso, temos os 70 reais mínimos de consumo obrigatório.

Resultado, casa vazia em uma sexta-feira em um suposto horário de pico.

Pouquíssimas garotar realmente bonitas, destaque para a loira Mia.

Não tive coragem de gastar mais de 500 reais por uma bimbada na casa. Saí no zero a zero. Na saída, a caixa me questiona o porquê de eu não ter feito programa.

Até quando esse pessoal vai continuar tentando manter valores que não condizem com a realidade e com aquilo que oferecem? A 65 fechou porque a realidade se impôs, a 502 agoniza eternamente, a 44 vive ainda da fama e a Cancun parece se contentar com a mixaria que circula pelas mãos dos raros clientes que ainda a frequentam.

É preciso mudar o modelo.

Jornalista. Professor de Língua Portuguesa, Escrita e Literatura. Editor. Escritor.

Deixe uma resposta