O breu de Afrodite

O Breu de Afrodite

Dia ou noite, o Centro da Cidade se transfigurou em um território hostil, de gangues, assaltos, facadas, tiros etc. À noite, porém, é mais intimidador. Onde os fracos não têm vez. Não existe aventura sem trilha sonora e desde que descobri que o meu aparelho auditivo também funciona como fone de ouvido, minhas caminhadas ganharam som.

FLASH

Os Rolling Stones invadiam os meus tímpanos. Eu entrava na rua Uruguaiana, no desolado trecho entre a avenida Presidente Vargas e a Marechal Floriano. Cheguei a pensar em atravessar a vetusta Marechal Floriano para visitar as boates decadentes da rua Leandro Martins, mas ouvi um som ensurdecedor que me fez recuar, o som do silêncio. Retornei ao meu objetivo inicial e escalei os infindáveis degraus rangedores do inferninho Afrodyte.

No topo da montanha, recebo a comanda de um sujeito com feições de um asteca ancestral com sono. Havia mais dois lances de escadas para subir antes de alcançar a boate, segui sentindo o fôlego evaporar dos pulmões.

Fui surpreendido, avistei uma quantidade relevante de mulheres. Poucos homens, alguns pinguços com a mesa congestionada de latas de cerveja. Não pedi o meu uísque porque nesses locais a procedência é duvidosa. Certa vez, passei tão mal com uísque de boate que suspeitei terem me servido cicuta no lugar do malte escocês.

Acomodei-me num canto e entrei no modo contemplação. Não demorou para que eu detectasse uma morena alta, de longos cabelos cacheados e bunda de capa de revista fitness. Bonita, sensual, ela também percebeu a minha envelhecida presença num dos pontos anônimos da pista. Aproximou-se…

— Oi. Posso te fazer companhia? — o ato de se convidarem é um dos aspectos interessantes dos bordeis.

— Pode, mas ainda estou paquerando — respondi,

— Não tem problema, agora você vai paquerar mais de perto.

Seu nome é Lisa, moradora de Queimados, 22 anos, disse ser passista em uma Escola de Samba da Baixada Fluminense. Jogou a perna direita sobre a minha perna esquerda, coxas grossas, pele sedosa. Pediu-me uma Ice, concedi. Fiz a entrevista básica, as repostas sobre beijo e oral sem capa foram positivas. Não quis me prolongar, paguei uma alcova.

Quando entramos na área dos quartos, não sei o que houve, estava um breu. Eu não enxergava um palmo diante do nariz, mas Lisa se locomovia com a destreza de uma vampira da Transilvânia. Com receio de me chocar contra algum objeto não identificado, parei no meio do caminho. Lisa notou a minha hesitação, segurou na minha mão e me conduziu a uma cabine ainda mais escura do que o caminho até ela.

— Não tem luz? — perguntei.

— No escurinho é que fica bom — ela responde.

Bota escurinho nisso. Creio que nem morcego conseguiria transitar ali dentro. Alguém me dá um aperto forte, era Lisa me apalpando.

— Seu pau é grosso, né gato? Tá molinho por quê?

— Não é meu pau. Você está apertando a minha bunda.

— Hi, hi, hi… — a garota tinha uma risada que parecia onomatopeia de histórias em quadrinhos — ai, gato, essa bunda tá flácida, heim.

Já estava me arrependendo da escolha. Eu também apalpava por todos os lados tentando descobrir o corpo de Lisa, mas as mãos acertavam mais o ar do que em qualquer outra coisa. Encontrei um dos seios, fui deslizando a minha boca pelo braço até colar meus lábios no biquinho da mama. Quase gozei de euforia por ter conseguido topar com um dos peitos no meio das trevas. Aquilo não era sexo, se parecia mais com uma partida de Batalha Naval.

Algo abocanhou meu combalido pênis, era a boca da Lisa. Chupou bem, movimentos variados, um boquete sinfônico, pois a menina gemia ao mesmo tempo que chupava. De repente, parou.

— Me come de quatro, gato.

Pelo que entendi, ao dizer isso, ela já estava de quatro. Fui tateando o colchão e estava mais fácil encontrar uma colônia de ácaros do que a bunda empinada da Lisa. Achei um relevo. Posicionei-me. Cadê a vagina? Eu alisava a curva concava com as mãos, mas não sentia a boceta. O tempo regulamentar do meu pênis ereto estava se esgotando, estava prestes a brochar. Atingi um buraco, iniciei as estocadas, Lisa em total mudez. Gozei. Até este presente momento, não sei se comi a Lisa ou algum buraco na parede.

Despedida. Pedi a menina que me guiasse até a saída. Paguei a conta. Desci os incontáveis degraus. A rua nunca me pareceu tão iluminada. Nenhuma visita a Batcaverna seria comparável ao que eu tinha acabado de vivenciar. Acenei para um táxi. Emparelhei meu aparelho auditivo com a play list do celular.

BB KING

Reverenciei o relógio da Central do Brasil enquanto os pneus sobre o negrume do asfalto me levavam de volta à bucólica Tijuca.

Jornalista. Professor de Língua Portuguesa, Escrita e Literatura. Editor. Escritor.

Deixe uma resposta