Sem bússola

Sem bússola

VIGÍLIA

A insônia vem acompanhada de ondas de ansiedade, me vejo lançado às ruas na intenção de desviar o foco da falta de sono e encontrar alguma diversão que me relaxe os sentidos. Talvez a razão da insônia crônica seja esta, o meu vício em adrenalina.

Já comentei, detesto dirigir à noite. Por insistir em beber quando saio, é raro que me arrisque a pegar o carro para um rolé. Ontem, no entanto, foi diferente. A mesma insônia noturna, a mesma ansiedade súbita, olhei para o relógio e marcava quase duas da madrugada, fui até a garagem, acionei o Sucatão, o motor roncou preguiçosamente alto e emergi sobre o negrume do asfalto.

EASY RIDER

Há um prazer em dirigir pela madrugada, o silêncio de mar aberto, o vácuo urbano de pessoas revelando detalhes dos cenários sombrios, figuras bizarras vagando camufladas pelas calçadas desertas e temerosas. O medo é o fantasma que assombra muitos bairros no Rio.

Consumido pelo tédio (ando com saudade de me apaixonar), tenho alternado entre as mulheres de cativeiro e as selvagens. Exausto de circular pelos mesmos lugares, rumei para Vila Isabel, atravessei o Túnel Noel Rosa, segui pela 24 de maio, Todos os Santos, Rua Piauí e desemboquei na Avenida Dom Hélder Câmara (a eterna Suburbana).

Bons tempos quando havia o Sambola; a boate Blue Garden, casa em que virei muitas noites de azaração, na altura de Pilares, próxima ao Norte Shopping, onde agora se ergue um condomínio enorme ao lado da bandeira do McDonald’s. Existia toda uma vida que hoje foi soterrada pelo nada. Quem sabe, em um futuro distópico, algum intrépido arqueólogo encontrará vestígios da minha breve passagem por aquela região.

Fui subindo pela avenida, alcancei o viaduto que cai em Cascadura, passei em frente ao Motel Classic, retornei pela Ernani Cardoso, cruzei com o Supermercado Guanabara (onde avistei entidades andróginas) e prossegui como o Capitão Ahab caçando Moby Dick. Não sei dizer exatamente até que ponto cheguei desperdiçando combustível, mas em um novo retorno, passando pelos arredores da esquina da Rua Cachambi, vejo um grupo de mulheres que se assemelhava a um arquipélago no meio do vazio de um vasto oceano. Admito, fiquei surpreso. Por que aquelas mulheres estariam ali? Seria um remoto e desconhecido ponto de mariposas?

Cruzei o local por umas três vezes, na tentativa de me certificar de que eram realmente mulheres plantadas naquele território, pois a região foge aos limites dos meus mapas cartográficos e desconheço as nativas daquelas paragens. No vai e vem com o Sucatão, avisto uma morena de sorriso faceiro, um rascunho da Kelly LeBrock, cabelos ondulados, encaixada em um vestido vermelho decotado e curto, estava encostada em um pequeno poste que sustentava a placa com o nome das ruas que formavam interseção.

Não é incomum eu ficar hesitante em me aproximar de mulheres em pontos de rua, mas a garota me pareceu atraente. Manobrei o carro e aportei perto dela.

— Oi, meu bem — ela me saúda com essa expressão odiosa que deve fazer parte do vocabulário profissional das putas.

— Como eu faço para ficar com você? — fui direto ao assunto.

—  $$$ o boquete e $$$ o programa.

Perguntei alguns detalhes adicionais sobre o desempenho sexual e ela me respondeu positivamente a todos os questionamentos.

— E para onde podemos ir no caso do programa? — inquiri.

— Aqui no Cartago,

Sinceramente, não me lembrava do Cartago nem que ele se localizava naquela área, saber disso me fez entender a presença do bando mulheres à toa naquela esquina. Aceitei os termos e autorizei que a moça entrasse no carro.

— Qual seu nome?

— Nádia. E o seu?

— Dante, me chamo Dante.

O COITO

Adentrei pela Rua Cachambi e entrei no Cartago. Como pretendia beber, peguei o apartamento pelo período de 12 horas, me programando para sair somente quando amanhecesse. Dentro do quarto, a menina se adianta para ligar o rádio e a música invade a alcova com a força de uma piada de mal gosto.

LOVE IS IN THE AIR

Loves is in the air... foi a trilha sonora que o motel me ofereceu como fundo musical do encontro com uma garota de rua. A guria aumentou o som, ensaiou uns passinhos e perguntou-me se podia pegar uma bebida. É do jogo.

A tal “uma bebida” se transformou em quatro Ices e uma garrafa de Gim. Comecei a contabilizar o prejuízo na calculadora do celular. A mulher era uma esponja.

Finalmente, após conversas e leves sarradas, ela veio para o ataque me tascando um beijo de língua que me desentupiu a traqueia. Beijo bonzão. Nua, Nádia se deitou e me chamou para ir por cima. O pau roçava suavemente em sua boceta enquanto continuávamos nos beijando, a menina gemia, baixo perto do meu ouvido, sussurrava palavras ininteligíveis e arranhava as minhas costas.

Pedi que ela ficasse de quatro, plastifiquei o Pikachu e penetrei lentamente na vagina úmida e morna de Nádia. Comecei a estocar e, de repente, fui acometido por uma cãibra implacável. Retirei o pau e caí me contorcendo sobre o colchão em movimentos epiléticos. Acho que a garota pensou que eu estava infartando, ficou lívida, de olhos arregalados, me encarando. Se dependesse de pedir socorro, eu teria falecido debaixo daquele olhar vítreo e inerte.

Recuperado, expliquei a causa da dor. Dona de alguma compaixão, Nádia voltou a se esfregar em mim, montou sobre a minha castigada carcaça, reencapou Pikachu e o introduziu em sua vagina. Ela não quicou, se limitava a roçar com força e rebolar por cima da minha virilha. Tinha um jeito gostoso de fazer, não demorou para que eu ejetasse os meus maratonistas genéticos no saco de látex. Gozo forte.

Paguei à jovem, ela se retirou e adormeci no quarto do motel. Aos primeiros sinais do dia, entrei no Sucatão e ganhamos a pista. O Sol bateu no meu rosto como se me cumprimentasse após uma longa ausência, o céu desabava em um azul opressor, o capô brilhava refletindo a claridade. Liguei o rádio e deixei a melodia transbordar na cabine do carro…

BEAUTIFUL DAY

Num arrebatamento de euforia, gritei em coro com o U2:

It’s a beautiful day
Don’t let it get away…

Dancinha

Jornalista. Professor de Língua Portuguesa, Escrita e Literatura. Editor. Escritor.

Deixe uma resposta