Ingrid

INGRID

Os pneus do Sucatão giravam indomáveis sobre asfalto selvagem da Avenida Presidente Dutra, o relógio do carro anunciava um pouco mais de nove horas da noite, um turno ameno diante dos meus extravagantes hábitos noturnos.

A bússola apontava na direção de Nova Iguaçu, mais especificamente para um bairro chamado Cabuçu. Há muitos anos tive um prolongado affair com uma conhecida garota de programa da região que possui relatos no fórum, não foi das minhas melhores experiências no quesito relacionamento afetivo, mas isso não é incomum quando falamos desse perfil de mulheres.

Não gosto de dirigir à noite, pois costumo beber, além me obrigar a usar óculos, algo que detesto. Há pontos da Dutra que são mergulhos nas trevas, o farol do Sucatão tentava focar na pista. Na altura de uma entrada chamada “Rosa dos Ventos”, embicamos e ganhamos a famigerada Estrada da Palhada. O percurso é longo, cansativo, uma viagem, mas a vida pulsa e o libertino vive.

Desde que parei de ir à longínqua Nova Iguaçu, mantive contato com uma personagem que atua praticamente como cafetina na região, usa a alcunha de Fafí. Há dias atrás ela me indicou uma coroa portentosa, me enviou fotos e fiquei muito impressionado com a aparência e com o porte da fêmea madura. Bonita, cabelos longos, bronzeada, com um corpo trabalhado em academia. Fafí me colocou em contato com a veterana sabendo que o exemplar me agradaria.

Informou-me o valor do encontro, não citou restrições sexuais, mas informou que eu precisaria pegá-la na Praça de Cabuçu, numa das noites em que fica por lá para fazer a “correria” — palavras dela. Aceitei, marcamos e me vi percorrendo a Dutra, Estrada da Palhada e Estrada de Madureira, a última fase antes de alcançar as coordenadas onde combinei buscá-la. Seu nome é Ingrid.

O cenário do trajeto é árido, expõe a pobreza e a desolação da Baixada Fluminense. Casas com tijolos visíveis, cachorros magros perambulando pelas ruas, vans em alta velocidade, biroscas espalhadas pelas vias como cactos no deserto. Há muitos anos que eu não transitava naquele território, pouca coisa mudou, além das veias da penúria que saltavam mais aparentes.

O bairro de Jardim Cabuçu, em Nova Iguaçu, tem uma atmosfera de cidade do interior. Excetuando-se a violência vigente, é um lugar de caráter acolhedor. A praça estava iluminada, os bares no seu entorno fremiam pela sede do álcool, barracas de churrasquinho exalavam o aroma da carne suspeita. O brilho dos faróis do Sucatão denunciava a poeira que pairava incessante ao redor. Estacionei e fui em busca de Ingrid, que me disse ficar na frente de uma pizzaria.

Não foi difícil avistá-la, eu a reconheci pelo viço dos longos cabelos, trajada com um vestido justíssimo e curto, suas pernas morenas revelavam a leve penugem loira e reluzente que recobriam a pele. Ingrid é uma mulher afrodisíaca, foi como a defini. É impossível vê-la e não sentir a ferocidade da nossa libido mais primitiva. Simpática, levantou-se quando me viu, me abraçou e ofereceu um selinho com seus lábios de um rubro lascivo.

Ingrid bebia cerveja, acompanhei. Conversamos, cogitei levá-la para o motel Medieval, mas a rota seria complexa, terminamos escolhendo o motel Vênus, onde chegaríamos seguindo somente uma reta. Alta, graúda, é aquele tipo de mulher que chamamos de gostosa. Eu estava excitado, ansioso, queria ver aquele corpo nu. Paguei a conta do bar, entramos no Sucatão e seguimos para a alcova.

Dentro do carro, Ingrid leva a mão sobre a minha perna, desliza até o meu combalido pênis oculto e aperta.

— Quero ver essa pica bem dura — diz sem filtro.

Ficou óbvio que a mulher fazia o tipo escrachada. Não escolhe palavras, é direta e crua. Sabia usar a vulgaridade a seu favor. Na garagem do motel, avanço para beijá-la, ela não refuga, alisa a minha nuca com uma das mãos, puxa minha cabeça como se quisesse me afogar em sua boca. Seria uma boa morte, mas sobrevivi.

Finalmente, no quarto, ela se despe e o que vejo é um corpo descomunal. Seios siliconados, pernas torneadas, barriga com gominhos de malhação, o corpo todo recoberto por leves pelos aloirados, boceta lisa e com uma tatuagem intrigante acima do clitóris: um semáforo com sinal verde.

Ingrid ajeita o celular na cabeceira da cama e deixa vazar sua playlist que declara a preferência por funk…

AVENTURA NOTURNA

Dancinha

Atracamo-nos como feras famintas na selva. Beijos, línguas, roçadas em alta tensão, mãos que se apalpavam, se apertavam, se tocavam como cegos que se liam em braile. Ingrid se deitou e pousei por cima do seu corpo, mamei os seios volumosos e duros, arrastei meu pau sobre a vagina e tive a nítida impressão de ouvi-la sussurrar aos meus ouvidos para que eu a penetrasse ao natural, mas as regras do fórum impedem confissões sinceras. Ela saltou subitamente, veio por cima e sentou-se sobre o látex que isolava o meu combalido pênis do pecado original. Ingrid quicou sobre a minha virilha, quicou muito, quicou com força incansável. Quase indo a nocaute, pedi que parasse.

A mulher libertou meu pau e embarcou no boquete. Engolia inteiro o meu modesto graveto, senti minha glande tocando na parede da garganta. A boca quente, os lábios firmes, os movimentos ritmados… ejaculei chantili, sonhos, brioches e tortas alemãs. Ingrid engoliu como quem saboreia um café expresso.

Acertei o pagamento e devolvi a moça à Praça de Cabuçu. Eu me sentia anestesiado, mas precisava cumprir o comprido retorno à bucólica Tijuca. Insiro um CD aleatório no aparelho de som e permito que a música force meus pés sobre o acelerador…

PSYCHO KILLER

Dancinha

Embalado pelo som de Talking Heads, o Sucatão desbravava o negrume do asfalto como uma nave querendo compreender o infinito. E o infinito indevassável nos rodeava num céu estrelado sobre a Avenida Presidente Dutra. Na escuridão da pista, os faróis mal conseguiam desvendar o que vinha pela frente, tudo era infinito, eu era o infinito.

A vida pulsa, o libertino vive… 

Dancinha

Jornalista. Professor de Língua Portuguesa, Escrita e Literatura. Editor. Escritor.

Deixe uma resposta