Dominique

DOMINIQUE

“Nós somos os fogos-fátuos desta cova do infinito…”
(Antônio Nobre)

Não escrevo para analfabetos funcionais, componho algo que vai além de um mero relato mecânico narrando um pretenso sexo destituído de erotismo, insiro aqui mais do que uma crônica. No fórum, registro o meu diário mundano. Compreendo que os medíocres queiram limitar o número de linhas como quem limita o nosso relógio da vida. No fim das contas são medíocres, que pela própria natureza arrogante, veneram limitações. Nasci para romper amarras e para provocar a ira da estreita ignorância dos beócios, dos sem talento. Sábios são os que estão abertos ao aprendizado.

Emparelhei as minhas próteses auditivas com o celular e permiti que o som do The Cult se misturasse ao meu sangue, possuísse a minha alma…

THE CULT

Dancinha

A noite estava abrasadora. Eu caminhava pela convulsa Avenida Mem de Sá até a Rua do Lavradio. Atravessei multidões embriagadas, mulheres lascivas, mendigos descrentes, travestis ilusionistas e alcancei o bar onde combinei me encontrar com Dominique, uma garota de programa das antigas que conheci no apogeu da 502 e que está fazendo ponto na Up House por curta temporada. Combinamos que ela viria ao meu encontro após o término do turno na casa. Tratos com mulheres da vida são sempre incertos, mas tive fé.

A umidade do meu corpo contaminava a camisa com máculas de suor. Sim, eu suo afeiçoado forista, mesmo sendo uma elegante alma britânica perdida nestes trópicos de manadas obtusas. Pedi meu uísque, um Red Bull e entrei em estado de contemplação enquanto aguardava a minha lebre chegar. Foi quando The Cure estourou as minhas próteses auditivas e tocou meus tímpanos…

THE CURE

Dancinha

A música é o Sol das minhas madrugadas.

A cada nova noite demoro mais para atingir o estágio ébrio, aquele ponto em que a mente e os olhos abrem o portal para o desfile da Felicidade, essa mulher vaporosa e fugidia que nos visita somente nos momentos de êxtase espiritual.

O álcool elimina a minha noção de tempo. De repente, vejo uma morena se aproximar encaixada em um vestido de chacrete no auge do sucesso do Cassino do Chacrinha. Não fui o único a notar a súbita presença, acho que todos os homens no perímetro de um quilômetro perceberam a entrada triunfal de Dominique. Ela quis me acompanhar no uísque e no Red Bull, fechamos o valor para um período de duas horas e relaxamos um pouco antes de deixarmos o bar.

— Está de preto neste calor?! — disse Dominique.

Eu estava vestido de preto. Sou um gótico em uma cidade gótica e traiçoeira, as roupas escuras são a minha camuflagem, me tornam invisível, me fazem irmão dos fantasmas do passado que insistem em habitar o presente.

— Usar roupas escuras é o meu vício — respondi.

Paguei a conta e saímos em direção ao Hotel Estadual, na Rua do Rezende, que por algum motivo misterioso é o meu leito favorito na Lapa. No meio do trajeto, Dominique avistou um boteco lotadíssimo e quis tomar a última dose. Aceitou brindar comigo com Salinas. Comecei a me sentir como o Nicolas Cage no filme “Despedida em Las Vegas”.

Dentro do quarto, ligo o ar-condicionado e foi como se finalmente eu respirasse, como se tivessem ligado a bomba de oxigênio. O calor excessivo me faz sentir a atmosfera rarefeita. Fiquei naquele pré-orgasmo respiratório enquanto Dominique tomava um banho. De repente, sua voz me chama para me juntar a ela no chuveiro.

A água escorria sobre as nossas cabeças, as mãos surfavam buscando ondas erógenas, as bocas engoliam lábios e línguas, a saliva se perdia entre os pingos incessantes que caíam. Dominique me abraçava, me apertava contra sua pele, a textura morna da sua pele. Eu agarrava e puxava seus longos cabelos agora molhados, ela fincava as unhas em meu tórax. Meu combalido pênis ereto esbarrava em seu clitóris desprotegido, se rendendo ao prazer. Ao longe, no rádio do motel, ouvimos brotar a voz de Bon Jovi…

BON JOVI

Dancinha

A perfeição se constrói sem aviso prévio. Estávamos ali, eu e Dominique, em uma conjunção carnal que nos alienou da realidade, éramos entes ardendo na intenção de nos fundirmos, de sermos um. Corremos para a cama sem nos enxugarmos, a garota me deitou e lambeu cada milímetro da minha carcaça envelhecida.

— Adoro dar banho de gata… — ela provoca.

Será que o pênis encolhe com a idade? O meu está mais para graveto do que pau, talvez por isso Dominique tenha conseguido abocanhá-lo inteiro, sem dificuldades. E me chupou com arte, com dedicação. Ao perceber que o meu membro pulsava mais forte, veio por cima e sentou-se sobre ele. Rebolou devagar, como se quisesse encaixá-lo mais profundamente dentro de sua vagina, esfregava forte em cima da minha virilha, numa fricção que ameaçava gerar faíscas. Começou a gemer alto, gritar, dizer que estava gozando. Gozei junto…

O rádio do motel arrematou o fim do coito…

EARNED IT

Dancinha

Dominique adormeceu sobre o meu peito. Paguei o pernoite para que ela pudesse continuar dormindo e nos despedimos com um beijo. Na rua, o céu ameaçava acender-se. Entrei em um táxi e pedi que o motorista me levasse à Praça Xavier de Brito, na bucólica Tijuca.

Pela janela do carro, os cenários passavam mais rápido do que a passagem do tempo. Os pneus avançavam por ruas desertas, se embrenhavam por entre prédios e ruínas da cidade decadente, o asfalto se desenrolava para o infinito. Senti a euforia da minha solidão. A voz de Bono Vox emergiu na cabine. A vida pulsa, o libertino vive. Adormeci e não sonhei…

U2

Girl9

Adicione o texto do seu título aqui

Jornalista. Professor de Língua Portuguesa, Escrita e Literatura. Editor. Escritor.

Deixe uma resposta