Jane

JANE

Meia-noite… já havia saboreado algumas iguarias no tradicional Bar Brasil, um dos meus pousos preferidos na Mem de Sá. Ao sair do local, fiquei estático, sem conseguir decidir a direção que tomaria, foi quando um camarada conhecido cruzou comigo, trocamos alguma palavras e ele seguiu. Permaneci enraizado onde estava, tentando traçar um objetivo. A Lapa fervia, cheirava a luxúria. O clima quente e o cansaço da terceira idade me empurraram para a opção mais cômoda, do outro lado da rua: a boate Up House.

Atravessei a pista, fui caminhando para a boate, no meio do trajeto uma mocinha segura o meu braço e fala comigo num castelhano fluente, creio que desejava me jogar para dentro de uma daquelas casas de samba. Desvencilhei-me e continuei seguindo a minha bússola. Entrei na Up House.

Boate vazia, mas com um time razoável de mulheres. De cara, duas mulatas me atraíram, mas preferi beber mais umas doses de uísque antes da escolha definitiva. Vejo dois companheiros conhecidos, me cumprimentam, trocamos um diálogo e retornamos à individualidade da caça. O uísque já não estava caindo bem, pedi uma garrafa de água. De repente — pois à noite tudo é de repente — alvorece no salão uma mulher colossal, alta, encorpada, seios grandes e firmes expostos por um decote pornográfico, rosto bonito, coxas grossíssimas, lábios carnudos, morena jambo. Uma fartura de mulher. Tão exuberante que intimidava.

Preferi não perder tempo, aproximei-me. Se chama Jane, é paulista, deve retornar à terra da garoa na próxima semana. De perto, sua presença se mostrava mais impressionante. Ela quase encosta o rosto no meu rosto, seus lábios se ofereciam aos meus, minha boca salivava. Faço a entrevista básica, as respostas me satisfazem. Pedi uma alcova. Subimos.

No andar de cima, duas meninas sairam despidas das cabines, seios amostras, bicos rosados iluminando a penumbra como faróis num mar revolto. A tia dos quartos demora para nos atender. O banheiro é coletivo, sem toalha. Dou uma esguichada de água no pau com a duchinha perto do vaso sanitário e vou para a cabine. Jane me esperava nua.

Beijos de língua, corpos roçando-se, saltei sobre aqueles seios suculentos e mamei como um recém-nascido. Jane começou a me chamar de bezerro, o que interferiu negativamente na minha ereção. Desço para a boceta, chupo, ela geme, se contorce, aperta a vulva contra o meu rosto, quase me sufoca. Inverte-se a posição, ela me chupa, chupa com vontade, alisando meu saco, engolindo o meu combalido pênis até a raiz. Resisto.

Jane se posiciona em um 69, ficamos por uns bons minutos nos chupando, cheguei perto do gozo, mas segurei. Pikachu — o breve — estava ereto, firme. A garota fica de quatro e pergunta se quero o seu cuzinho. Sade dizia que o altar é o cu, então quem ajoelha tem que rezar. Aceitei.

Jane se empina como um tobogã erótico, pega no meu membro em uma manobra contorcionista por debaixo do próprio corpo e o introduz no pequeno orifício anal. Senti o pau afundando naquela cavidade aquecida, há tempos eu não comia um cu. Estoquei devagar, fui aumentando a pressão e a velocidade, a cada metida Jane se empinava mais, ficou tão arqueada que tive medo de escorregar de corpo inteiro para dentro do seu ânus. Quase sem fôlego, percebi que a minha erupção iria acontecer. Gozei todas as histórias das Mil e uma Noites.

Não houve muita conversa. Vesti a minha roupa, me despedi, paguei a conta do consumo e retornei às ruas. Olhei o relógio, passava das duas horas da madrugada. Continuei andando a esmo. Do outro lado da rua, o som de pagode animado emergia de um boteco raiz, raridade na Lapa moderna. Invadi o botequim e pedi uma Salinas. O mundo parecia estar resumido à alegria simplória daquele pé-sujo. O pagode não cessava. Eu não queria mais ouvir. Sincronizo os meus aparelhos auditivos com o celular e deixo que as batidas abafem o som externo.

LINKIN PARK

Dancinha

Aquela pequena ilha remota do planeta não queria amanhecer, exigia permanecer noite, numa afronta à natureza das coisas. O efeito do álcool fazia tudo brilhar mais intensamente. A melodia nos meus ouvidos embalava a ressurreição do meu corpo. A noite é um abraço morno, um beijo forte. Sim, é à noite que a vida pulsa, é à noite que o libertino vive… Evoé! 

Reverência

Jornalista. Professor de Língua Portuguesa, Escrita e Literatura. Editor. Escritor.

Deixe uma resposta